Edição “Centros Nevrálgicos” do Jornal dos Arquitectos.


“A intervenção estrutural envolveu, sempre que possível, a utilização de materiais e técnicas tradicionais, de forma a garantir a preservação da identidade do edifício e, simultaneamente, o respeito pelos princípios da Reversibilidade, a Compatibilidade e a baixa intrusividade das soluções.

As novas estruturas foram concebidas com materiais compatíveis com os existentes, tendo sido construída uma caixa de elevador em estrutura metálica e um prolongamento da escada de betão armado existente, com o mesmo material.

Apesar de ter sofrido alterações ao longo da sua existência, procurou-se manter a coerência expressiva do conjunto edificado, entendendo-se que a dinâmica dos tempos não venha aqui a ter o seu epílogo, constituindo esta intervenção uma mera etapa daquilo que esperamos ser uma, ainda, longa existência. “

 

Continue a ler o artigo, aqui.